quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Exposição Viver e Morrer em Itajaí

 
VIVER e MORRER em ITAJAÍ


Uma cidade com porto é sempre instigante. Isso porque o mar, talvez o elemento que tenha gerado mais metáforas na história da linguagem, torna-se o espaço para a chegada e a partida do Outro. É como se a cada dia um pedaço da cidade pudesse nascer e se desfazer feito brumas. “Viver e Morrer” é o título desta exposição. Pois aqui, em Itajaí, a experiência da vida e da morte é contígua, sendo que o histórico da zona portuária e das enchentes são apenas alguns exemplos.
De uma parte, surge o Coletivo Terceira Margem a encenar este limiar em “Rounin”. Projeções audiovisuais realizadas no dia da abertura desta exposição tematizaram o samurai (personagem simbólico que encarna a narrativa sobre a morte e o suicídio no Japão).
 
Cláudia Telles, por sua vez, apropria-se do batimento cardíaco para produzir desenhos em que a presença da linha não é apenas um grafismo, mas também o sinal de que ali a vida pulsa.
 
Silvestre João de Souza Júnior tem uma vida inteira dedicada às artes na cidade, seu trabalho é infindável. Nesta exposição, comparece com uma obra apresentada na exposição “A Poética da Morte na Cultura Brasileira” realizada no Museu de Arte de Santa Catarina no ano de 2001.
Beto Bocchino fotografa inúmeras fechaduras e pelo procedimento da série constitui sua poética.
De outra parte, encontram-se trabalhos cuja leveza torna-se estandarte àquilo que é vivo: Lilian Martins dedica traços à sua cadela chamada “Violeta”. A relação entre a artista e o animal faz surgir desenhos com extrema delicadeza.
Rudi Scaranto Dazzi é aquele que domina o espaço e o torna outro por meio da intervenção no vazio. Arquiteto de formação, Rudi constrói um projeto improvável no espaço de exposição, utilizando-se de materiais reutilizados.
Por fim, destaca-se o sentido de vida presente nos trabalhos da Sociedade dos Pintores do Ângulo Insólito do Rio Itajaí-Açu: o humor quase insano travestido de pintura, um coletivo tresloucado que vê tudo das alturas, como se estivessem nas asas de um aeroplano (afinal, como dizia o poeta Paulo Leminski: “Essa vida é uma viagem pena eu estar só de passagem”).


Fernando Boppré
Fevereiro de 2011

Um comentário:

  1. Boa noite.

    Estou lhe seguindo.

    Um grande abraço.
    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderExcluir